Início > Resumo - Igor > A casa do Cuteleiro

A casa do Cuteleiro

Logo ao sair da taverna, Lauren para e pede ao grupo para irem observar a mais recente vitima do lobo gigante. Lá, encontram um homem varrendo as partes do cadáver, e a ladra pede que ele pare e a deixe ver o que está lá. A cena não é agradável a nenhum deles, e serve apenas para a ladra constatar o que já era sabido: foi outra vítima do lobo gigante. Não tendo mais o que fazer por ali, eles se dirigem à casa de Carla, prima de uma das vítimas. Conversando com a mulher eles descobrem que a vítima a visitava de vez em quando, mas que não vinha vê-la já a algum tempo antes da data de sua morte. Fora isso, mais nada é conseguido de informação. Lauren começa a demonstrar falta de paciência com as pessoas interrogadas, e Victor tem uma pequena discussão com ela, e então o grupo se dirige à casa do cuteleiro.
Hagen decide ir até a polícia local descobrir algo sobre o mesmerista que o levou à Terra dos Pesadelos, mas não descobre muito, apenas que o homem recebia seus clientes na casa em que se hospedara, que pareia ter dinheiro, e que foi embora após receber a visita de algumas pessoas que parecem ter sido agressivas com ele (provavelmente Rurik, Lauren e os outros). O detetive vai até esta casa, e nota que ela foi invadida e ocupada, tendo até sua porta roubada. Procurando, ele encontra uma porta secreta no fundo de uma armário, que dá em uma escada que leva a um porão. O local é escuro e parece abandonado, nele há uma espécie de altar, com uma pintura da Serpente Arco-íris na parede. Sob o altar há três penas furta-cor, que o investigador guarda consigo, e manchas de sangue seco no local. Hagen sai dali e volta à taverna.

A casa do cuteleiro se encontra fechada, com uma placa na porta onde se lia “Volto logo”, e o grupo decide esperá-lo. Vendo que todas as janelas estão fechadas, Lauren vai até os fundos da casa, onde encontra uma porta trancada. Sem que ninguém mais saiba, ela arromba a fechadura e entra na casa, percebendo rapidamente que a temperatura na casa é maior que no lado de fora, e nota que há uma chaminé atravessando a casa toda, provavelmente vindo do porão. Nota também que a casa está meio bagunçada e sem cuidados, compreensível para um recente viúvo. Na estante do cômodo que serve de loja para o homem, a ladra encontra uma pequena caixa trancada que parece guardar algo valioso, e como não há ninguém por ali, pega a caixa e sai do prédio.
Do lado de fora, Victor e Rurik vêem a chaminé sobre o telhado, e percebem que ela expele uma constante fumaça. Cansado de esperar, Rurik tenta arrombar a porta com o ombro, mas os outros (principalmente Skaff) o repreendem. Lauren cansa da espera e volta para a taverna com Quang Fei, enquanto os demais continuam lá, cogitando se seria melhor entrar e certificar-se de que nada havia acontecido ao dono da casa.

Já está escuro quando Lauren chega em seu quarto na estalagem, curiosa para ver o que há dentro da caixa pega na casa do cuteleiro. Sem se preocupar em vistoriar o objeto, é envenenada por uma armadilha de agulha enquanto arromba a fechadura e começa a se sentir um pouco tonta. Assustada, resolve ficar descansando em seu quarto, com medo de contar a alguém a verdadeira razão de seu mal estar. Hagen chega pouco depois, e informado pelo estalajadeiro que a meio-elfa estava no quarto, vai até lá falar com ela. Como a ladra não abre a porta para lhe atender, ele passa uma das penas por baixo da porta, o que a convence a abrir a porta. O investigador percebe como ela está pálida, e que não há nenhuma luz no quarto. Lauren diz não estar passando bem, e quando o detetive propõe que os dois vão até Victor em busca de auxílio, o cuteleiro chega na taverna respondendo ao cartão de Hagen, e este sai com o homem para um lugar mais seguro onde conversar, deixando Lauren continuar repousando em seu quarto.
Enquanto vão para a casa do cuteleiro, Hagen percebe que o homem utiliza um caminho diferente, que dá uma volta longa e passa por partes menos nobres da cidade, para ir até sua casa. A certa altura vê quando o artesão pisa em uma poça d’água que sua pegada deixa uma marca com salto e outra sem. Perante isso, o investigador pede para irem a uma taverna comer algo antes de conversarem, e no local ele tenta intimidar o cuteleiro, mas o homem se revolta e diz, indo embora: “Eu sabia! Você está com eles, assim como o resto da policia! Malditos aristocratas!”. Hagen fica confuso, e acalma o homem, pedindo desculpas. Os dois vão até a casa do cuteleiro.

Anúncios
Categorias:Resumo - Igor
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: