Arquivo

Archive for the ‘Resumo Tosco’ Category

Última sessão

14 / novembro / 2010 Deixe um comentário

Então pessoas, pulando quase um ano de resumos atrasados (que quem sabe um dia com muita vontade serão escritos), estou colocando algumas fotos da última sessão em que o grupo enfrentou finalmentel o Demi-lich e a morte em pessoa, no último ritual o da Peste.

O Timeline, a fonte mais atualizada até então dos acontecimentos, pode dar uma visão melhor dos acontecimentos, para os que cairem aqui de para-quedas. Infelizmente entre os primeiros relatos e a continuidade no arquivos realmente existe um enorme buraco que é difícil de compreender para quem não estava na mesa conosco, ainda assim agradeço qualquer visita “estranha” que chegue aqui atrás de informações sobre RPG e o Cenário de Ravenloft.

O restante das fotos pode ser visto aqui. E mais resumos estrahos podem ser encontrados na comunidade montada no Orkut.

Categorias:Arquivos, OFF, Resumo Tosco

Atualizações Novas

29 / julho / 2009 Deixe um comentário

Essa é a ordem certa dos posts para leitura, uma vez que eu atualizei o meio entre eles, então ficaria dificil de achar a ligação:
Num reino bem, bem distante…
Depois da Chuva (Atualizado)
Todo mundo na Fila do INSS (Atualizado)
Despertando das Sombras I de II
Cavaleiro da Coroa II de II (Atualizado)

Eu fiz também um tipo de Timeline, que está nesta página: Timeline
Depois vocês podem encontrá-la no menu ao lado, debaixo dos Amaldiçoados.

Cavaleiro da Coroa – II de II

20 / dezembro / 2008 1 comentário

“Quando Soth acordou, as elfas perceberam tudo. Dizem que elas começaram a gritar e voaram todas em direção à fenda onde eu lutava pra conseguir subir o mais rápido possível para o piso de cima, antes que aqueles dois pontos de luz percebessem que eu era a culpada por eles estarem abertos. As banshees passaram num velocidade enorme por mim, mas não encostaram em meu corpo (ainda bem). A última vez que olhei para trás elas estavam paradas todas em torno do repouso de Soth.

Quando eu estava prestes a alcançar o piso superior, uma coisa estranhíssima aconteceu. Minha sombra tomou uma forma diferente e começou a tornar-se uma mulher na minha frente, antes que eu pudesse dar o primeiro impulso para subir ao andar do trono. Então a mulher, a vistani fantasma, gritou “Maldita!”, e cortou a corda, fazendo com que eu despencasse para o andar inferior. Por sorte, não cai bem em cima de quem eu estava tentando fugir, ficando no andar intermediário. Com medo que ela viesse me atacar, coloquei uma das flechas de luz no chão, ara enxergar melhor o local e me escondi.

Percebi então Victor tentando me encontrar na escuridão, enquanto ouvia passos e o som de armas percorrendo o ar, algum de meus companheiros deviam estar tentando atacá-la. Eu caminhei em direção a luz para falar com Victor, mas neste momento seu rosto ganhou uma expressão de horror. Ele olhava para trás de mim…

Do fundo deste andar, do meio da escuridão vinha Lord Soth caminhando em minha direção. Eu senti um frio congelando o meu corpo e me fazendo tremer dos pés a cabeça. Eu tentei fugir mas ELE falou comigo e mandou que eu parasse onde estava. “Foi você quem me acordou?”, ele perguntou, mas a minha resposta foi só um sopro, um “ssh.. sih..”, do que devia ser a palavra “sim”. “O mínimo que alguém deve fazer depois de INVADIR o meu castelo é se curvar perante mim!”, e foi o que eu tentei fazer…, mas nenhuma parte do meu corpo obedecia aos meus comandos. Ofendido, ele se aproximou, desembainhou sua espada e a encostou em meu pescoço. Pela segunda vez em minha vida tive certeza que iria morrer, e esta não é uma sensação agradável…
Acho eu que, notando que eu mal conseguia respirar quanto mais me mover, Soth desistiu de me fazer me curvar quando ouviu o som da batalha e a voz de Victor com seu pai dizendo aos berros “Não é ele!!! Não é ele que nós viemos encontrar!!!”.
O elmo vazio com os pontos vermelhos viraram mais uma vez em minha direção e sua voz ecoou “Você tem até o fim de meu combate para estar FORA DO MEU CASTELO!”. Ele caminhou até a minha sombra e desapareceu, semelhante ao que Alanor faria. Em segundos o meu corpo desmoronou… peguei minhas coisas e corri, CORRI!!! Talvez o modo mais rápido que corri em toda a minha vida, já que ela estava em jogo!

Lá fora a corda que haviamos prendido para descer ainda estava firme e eu comecei a subir. Perto do todo Rocky que estava olhando o caminho a frente derrepente se assustou e correu para minha mochila, sem responder as minhas perguntas do porque estava tão assustado. Então eu vi com meus próprios olhos. Um exército de Cavaleiros Undeads estava enfileirado do patamar onde a corda terminava.

E agora? Enfrentava um Cavaleiro Undead que havia acabado de dizer que iria me matar, uma vistani que também queria me matar e um monte de bashees que TENTARAM me matar, ou um exercito que ainda não havia dito nada nem tentado nada, mas era composto por dezenas de undeads que não pareciam mais amigáveis que os outros?

Bom eu estava ainda pensando no menos pior e resolvi voltar pela corda e pensar um pouco do lado de fora do castelo, escondida.
De repente todo o restante do grupo apareceu pela porta principal, ofegante. Eles haviam começado a fugir assim que Victor gritou que Lord Soth não era o homem certo, e assim que o próprio apareceu rasgando a vistani no meio, com um golpe só, a transformando em uma espécie de sombra desforme.

Nesse momento que nos reencontramos, ouvimos a voz de Dimitri gritando do alto de uma das torres dizendo que nós o esperássemos. Ele desce a torre rapidamente (Rurik e eu percebemos algo estranho na forma como ele se move pela parede sem apoios, mas só nos entreolhamos).

Mas agora, uma vez que estão todos juntos novamente, resolvemos enfrentar os mortos-vivos na elevação, ao invés de esperar o cavaleiro morto vir atrás de nós.

Victor é o primeiro, assim que ele chega na parte mais alta da corda fica em pé, posiciona a espada de seu pai e um escudo a frente e começa a recitar algo que eu não entendo, mas depois vir a saber que seria o Lema dos Cavaleiros de Solâmnia.

De forma surpreendente os mortos vivo então começam a abrir caminho para ele passar e não nos atacam também. É aí que percebo outra pessoa no fim das fileiras, um cavaleiro vivo (o que é era uma coisa bem incomum nesse lugar).

O cavaleiro e Victor conversam e uma espécie de ritual é feito. Victor faz um juramento e o cavaleiro o declara Cavaleiro da Coroa. Ele também entrega alguns pedaços de espelho (como os da sala atrás do trono de Soth). Eles servem para convocar este mesmo cavaleiro, para onde Victor estiver quando estiver pronto para mudar sua posição como cavaleiro da espada e da rosa.

Assim que Victor recebeu conselhos deste cavaleiro nós continuamos, utilizamos novamente a varinha mágica com a magia necessária para ativar o portal por onde chegamos, mas desta vez para sair na Falkovnia. O pior dos reinos onde estive até agora e onde o ritual da guerra aconteceria.”

Todo mundo na Fila do INSS

3 / novembro / 2008 3 comentários

O grupo já tem os meios para continuar sua missão, mas não tem a disposição necessária. Membros do grupo estão com problemas… de saúde.

Descobrem que a mão que Rurik encontrou na Greta Sombria é um implante feito por um elfo desta cidade e pertencia a um elfo desaparecido há muito tempo. A policia então permite que parte do grupo vá ao encontro de Helión, o médico.

Lá encontram grande resistência, mas convencem Helión a fazer a cirurgia de implante.

Enquanto isso Lauren descobre que Hyde andou comprando coisas na cidade, principalmente pergaminhos e outros itens mágicos. Com essas informações ela vai ao encontro do restante do grupo, mas sem a permissão da polícia, invadindo um dos círculos e assustando a assistente do médico com sua chegada inesperada. A policia que os acompanhava também acha muito estranho e promete averiguar suas permissões.

Na “sala de cirurgia” Helión se assusta com o sangue negro de Rurik, mas continua com os procedimentos. Ele também oferece certos implantes extras a Rurik que escolhe modificar suas próprias pernas em troca de uma vantagem mágica.

Esse acordo e alguns procedimentos são vistos por Lauren através dos olhos de Rocky. E da mesma forma, ela descobre a existência de um galpão nos fundos da residência onde há várias jaulas com animais, incluindo um minotauro.

Depois de muitas horas tudo termina e enquanto se despedem Lauren comenta o assunto da existência dos minotauros, assustando o médico e deixando a policia e o restante do grupo intrigados pelo assunto repentino, no entanto não revela o segredo de Helión.

Eles voltam para a cidade em paz e esperam mais algum tempo para que Rurik se recuperem, mas pretendem partir no dia seguinte.

À noite a meio-elfa volta a casa de Helión para abrir o galpão onde está o minotauro, afinal é contra a Lei ter um monstro tão perigoso na cidade, segundo a polícia. Soltá-lo portanto seria como um favor para a sociedade (mesmo que ele viesse a ferir muitos de seus cidadãos eventualmente). Movida então por suas intenções Leais e Malignas, Lauren tenta por seu plano em prática, mas é vista pela polícia e perseguida; isto toma mais tempo que o planejado e as armadilhas no galpão frustam sua brincadeira maldosa.

Contaminada com o veneno das armadilhas ela pede ajuda a Willian na estalagem. O clérigo de Lawguiver percebe como ela conseguiu o envenenamento e não a ajuda como ela esperava para que ela aprenda a lição. Nesta noite a meio-elfa percebe que existe algo de errado com ela, fora de seu controle. Ela é refém dos efeitos das Brumas sobre sua mente, teve várias vezes a vontade de matar Kaladon, durante o dia anterior, pelo simples fato do ‘monstro’ que ele era. E sentiu vontade de fazer várias coisas que deixariam todos a sua volta chocados e lavados com o sangue de pessoas inocentes. Alguma coisa estava muito errada com sua mente.**

Pela manhã então pede a Victor que a ajudasse, mas seu conhecimento não estava no nível necessário para isso.

Ela sabe que existe um templo no segundo círculo e tenta conversar com os guardas mas eles não lhe deixam visitá-lo por bem. Sendo assim, ela passa escondida mais uma vez pelo muro.

No templo há um elfo muito idoso (um elfo muito idoso? Nossa…). Ele percebe a presença da meio-elfa, mas invés de expulsá-la a vassouradas pergunta o que está havendo. Ele a examina e pede que ela aceite Mishkal em seu coração. A meio-elfa diz que não pode fazer isso, mas que pode entregar-lhe seu símbolo de fé, um medalhão de Tymora, como um acordo entre as duas Deusas (mesmo não tendo autoridade pra isso), dizendo que sua mãe clériga da Deusa da Sorte provavelmente entenderia. Ele pega o medalhão e coloca em uma tina de água.

O clérigo entende o que se passa com a mente de Lauren e cura as suas perturbações mentais.

Entregando novamente o medalhão de Tymora dizendo que ela não poderá ter outra fé como a de Mishakal, só pode seguir sua própria fé, diz que espera que ela siga os passos de sua mãe um dia. O medalhão agora foi abençoado e emite uma aura divina muito fraca mas que será percebida por Willian mais tarde.

A ladina volta para junto do grupo (com sua tendência normal enfim), e eles partem para o portal, para encontrar a fortaleza de Lord Soth.

** Esses testes de Esquizofrenia, causados pela falha em um Teste de Loucura eram legais, mas pena que ela nunca chegou a ficar Chaotic Evil.. xD